sexta-feira, 29 de julho de 2011

Minha querida eu com 16 anos


Nesses últimos dias andei voltando ao passado. Não sei se é saudosismo, mas uma sensação de saudade do que eu não vivi.


Quem nunca voltou mentalmente ao tempo e quando se arrependeu de alguma coisa pensou; “Que burra, porque eu não fiz isso em vez de fazer aquilo?! Ah, seu eu pudesse voltar ao passado com a cabeça que eu tenho hoje em dia...”




Minha querida eu com 16 anos:




Para começo de conversa, mude esse cabelo, está horrível!!! Largue um pouco essa cara de moleque e cuide-se, tenha mais vaidade!! Comece fazendo um corte mais moderno nesse cabelo curto!




Estude mais matemática, não vai ter muita função no futuro, mas vai lhe ajudar a passar para uma faculdade melhor. Por falar em matemática, não abandone também aquela matéria chata que é Inglês, você vai se sentir menos ignorante. Se puder aprenda uma língua estranha chamada Mandarin, é falada pelos chineses, bom, é melhor não tentar lhe explicar agora, mas aprenda!!! Existe uma coisa que está surgindo agora, chamada computador, apesar de ser um saco, aprenda a mexer nessa “bagaça”, no futuro fará muuuita diferença... Entenda os seus professores, escute os que eles dizem... acredite, você ainda estará nessa mesma situação daqui a alguns anos.


Não saia do balé!!! Pode parecer sem graça hoje, mas no futuro você vai sentir falta nem que seja para melhorar sua postura. Também não fuja das competições (nem daquelas chatas de natação que seu pai a obriga ir), infelizmente, no futuro o mundo estará cada vez mais competitivo... Já vai se acostumando.




Tenha menos medo, arrisque mais!! Aprenda o significado da expressão “mete os peitos” e não estou só falando sobre usar um decote, não. Não espere aquela ligação, ligue!!! A vida premia quem joga mais com ela.


Vai se acostumando também e ficar sozinha. A não ser que você arrisque mais e tenha menos medo, a solidão será a sua companheira constante. Acostume-se com ela e aproveite para tornar isso mais produtivo. Sabe aqueles livros clássicos da estante do seu avô? Pois é, que tal começar as ler?!




Permita-se!!! Parece chavão, mas é verdade. Mergulhe mais fundo nessa piscina chamada vida. Seja ela para as coisas boas ou para as más. Se tiver que viver as felicidades, viva, sem racionalizar tanto e sem desconfianças, decepções fazem parte da vida. Agora, se as decepções forem inevitáveis; então curta também as tristezas, chore, sofra, arranque os cabelos, bote tudo para fora, mas que isso seja momentâneo. Acredite, felicidade ou sofrimento são melhores do que não sentir nada.




Ah, deixa eu te falar um pouquinho sobre o que são os homens. Pois é, essas criaturas estranhas que você ainda gosta de brincar. Eles não passam muito dos 16 anos, podem até crescer; ganhar idade enquanto perdem os cabelos, mas a idade mental não passa muito da adolescência. Eles ainda vão continuar a ver revista de mulheres nuas, a jogar videogame, a se estapear no futebol; assim como te ignorar completamente quando a menina mais bonita, loura e gostosa da escola passa por eles. Na verdade, eles são criaturas muito simples; estão divididos em dois grandes grupos; os que gostam de vocês e os que não gostam. O primeiro grupo é o melhor investimento; eles vão te procurar, serão claros, objetivos e não farão joguinhos. Já o segundo grupo, muito cuidado com eles, infelizmente esses parecerão mais interessantes, mas não estão nem aí. Podem até te dar mole, mas é porque querem só a sua amizade ou transar e ir embora, queridinha, não fica tentando fazer eles correrem atrás de você, é perda de tempo!!! Não fique tentando adivinhar o que esse grupo quer dizer nas entrelinhas, eles não dizem nada, homens são simples, quando querem correm atrás quando não... bem, você já sabe. Ah, mais uma coisa, sinto lhe decepcionar, mas príncipes encantados não existem, invista nos sapos!




Aproveite as pessoas no que elas têm de melhor para lhe oferecer. O mundo não é tão simples como você pensa, ele não está dividido entre pessoas más ou boas, e sim, o lado bom e o lado mau que se manifesta em determinados momentos. As pessoas são como se apresentam, ninguém, isso mesmo, ninguém muda o outro. Elas só mudam quando realmente têm necessidade, mas essa necessidade parte de dentro delas. Você deve gostar delas como num pacote fechado com todos os defeitos e qualidades. E mesmo que os defeitos pareçam, em alguns momentos, insuportáveis, tente aprender até com eles. Ou seja, até aquela garota super besta da sua escola tem algo para lhe ensinar, nem que seja para você aprender a se valorizar mais.


Olhe no espelho e se veja como você realmente é, nem mais magra e nem, muito menos, mais gorda. Todos nós somos imperfeitos, perfeição não existe, nem nas super modelos! No futuro, até as modelos vão parecer perfeitas, mas é mentira, existe uma coisa chamada Photoshop e cirurgia plástica que com a popularização as meninas da sua idade farão até nas férias do meio do ano. Ah, não tenha vergonha de ter os seios grandes, eles ainda serão uma vantagem, coloque um belo decote, no futuro eles ficarão proporcionais e ter peitos fartos será uma grande moda. Uma parte daquelas cirurgias plásticas que eu me referi servirá para aumentar o busto, pelo menos dessa você vai escapar...




Não perca esse seu jeito meio bobo e risonho que você tem. O futuro, a maturidade, o trabalho ou as pessoas dispensáveis podem tentar até apagar isso de você, mas não deixe! Por mais ridículo que isso possa parecer, rir ainda é o melhor remédio. Em algum momento da sua vida vai aparecer um curso de palhaço como trabalho voluntário, por mais mico que isso possa parecer hoje, não deixe de fazer. De alguma forma isso vai mudar a sua percepção, você vai aprender a rir um pouco das vicissitudes da vida e até perceber que nem sempre se achar ridícula é algo negativo. Afinal, a gente só sabe quando realmente curou alguma mágoa quando olha para trás e consegue rir dela.


Por último, não esqueça o conselho mais importante. Aproveite os pequenos e fugazes momentos de felicidade na sua vida, acredite, com tempo, eles passarão cada vez mais rápidos. Aproveite cada gota desse vinho que é a vida!




Bom, era só isso, o resto você aprende na vivência. Perde a graça também eu te contar tudo. Como já dizia um compositor muito famoso na minha época chamado Paulinho Moska; “Então me diz qual é a graça de já saber o fim da estrada, quando se parte rumo ao nada?”



Um abraço e seja feliz (ou melhor, tenha momentos felizes),
Mariana.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Carta aos amigos.


Como esse blog é feito por três amigonas do peito não poderíamos deixar de lembrar essa data tão importante. Afinal, quem não tem um amigo?
Para comemorar a data selecionei um poema do sempre Vinícius de Moraes. É lindo!!!


Amigos

Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos.
Não percebem o amor que lhes devoto
e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor,
eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos,
enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade.
E eu poderia suportar, embora não sem dor,
que tivessem morrido todos os meus amores,
mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos !
Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos
e o quanto minha vida depende de suas existências ...
A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem.
Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida.
Mas, porque não os procuro com assiduidade,
não posso lhes dizer o quanto gosto deles.
Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem
que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos.
Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro,
embora não declare e não os procure.
E às vezes, quando os procuro,
noto que eles não tem noção de como me são necessários,
de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital,
porque eles fazem parte do mundo que eu,
tremulamente, construí,
e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado.
Se todos eles morrerem, eu desabo!
Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles.
E me envergonho, porque essa minha prece é,
em síntese, dirigida ao meu bem estar.
Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles.
Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos,
cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim,
compartilhando daquele prazer ...
Se alguma coisa me consome e me envelhece
é que a roda furiosa da vida
não me permite ter sempre ao meu lado,
morando comigo, andando comigo,
falando comigo, vivendo comigo,
todos os meus amigos, e, principalmente,
os que só desconfiam
- ou talvez nunca vão saber -
que são meus amigos!
A gente não faz amigos, reconhece-os.

Vinicius de Moraes


E para finalizar esse post tão especial, encerro com uma música do Beatles chamada With A Little Help From My Friends. A canção fala de como os amigos são importantes para nos dar uma ajudinha sempre, mas principalmente quando a nossa alma anda um pouco conturbada.

http://www.youtube.com/watch?v=jBDF04fQKtQ


Feliz Dia do Amigo!!!!!!

Mariana

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Todas as mulheres têm 32 anos (Stella Florence).



Hoje fui montar minha série na vigésima academia que eu estou tentando começar e o professor me perguntou a minha idade, acreditem ou não sempre quando respondo quantos anos tenho eu por um segundo esqueço, juro!!! Não sei porque isso me acontece... o mais engraçado é que eu não sou tipo que menti a idade ou fica constrangida com a pergunta. Tenho até orgulho de dizer quantas primaveras completei, pois quase sempre escuto: “Nossa!!! Parece muito menos!!”



Pois é, no dia 17 de fevereiro de 2011 fiz 32 anos. Sempre quando se comemora um aniversário é inevitável fazer uma reflexão; particularmente as minhas foram:



Nossa!!! Como o tempo passou rápido!!!



Eu não me sinto com 32.



Não era assim que eu pensava na minha vida quando era garota e indagava: como será a minha vida com 32 anos?



Meu Deus!!! Quantas celulites ganhei com 32 anos?! Elas não estavam aqui quando eu tinha 31!!!



Como já falei anteriormente, acabei de ler o livro “Os Indecentes” da escritora Stella Florence. Simplesmente maravilhoso! Leitura obrigatória para todas as mulheres questionadoras, neuróticas, inteligentes, independentes, malucas, perfeccionistas, indecisas, inconstantes, dramáticas... enfim, para todas as mulheres...



Aí vai um texto sobre os 32 anos (espero que não seja processada por reproduzir isso!!!)



Todas as mulheres têm 32 anos (Stellla Florence).



“Todas as mulheres têm 32 anos. As décadas vividas se tornaram uma neblina que deságua sempre no número 32. As mulheres de 32 estão tão novas e cheia de viço que, não raro, se confundem com as de 20. As de 40 estão tão bem cuidadas que, via de regra, parecem ter 32. As de 50 são agradavelmente perseguidas pela frase: ‘Não daria mais que 32!’ E as de 60 se gabam: ‘Sabe como eu me sinto? Com 32!’



Nunca, em toda a breve ou longa (depende do ponto de vista) história da humanidade, houve um tempo em que as mulheres estiveram tão próximas. Os perfumes, maquiagens, palavras, desejos, jóias, sonhos, decotes, projetos são os mesmos. A infantilidade, as franquezas, a ignorância também.



As de 14 estão nas vitrines namorando saltos altíssimos com as de 32. As de 17 estão questionando sua escolha profissional como as de 32. As de 20 têm a garra e a fome de realização das de 32. As de 25 têm o mesmíssimo frescor da pele das mulheres de 32. As de 29 estão conhecendo melhor o seu corpo como as de 32. As de 36 estão se separando como as de 32. As de 45 se olham no espelho e se vêem com 32. As de 47 sonham em se perder numa ilha com o Sawyer com as de 32. As de 50 estranham o meio século porque sua conta interna não vai além dos 32. As de 55 vão regularmente ao ginecologista como as de 32. As de 61 estão escandalizadas por se sentirem rigorosamente com 32. As de 64 cantam Beatles com as de 32. As de 71 se desmancham em mimos para os seus animais de estimação como as de 32. As de 87 desistiram de tentar provar aos outros seus eternos 32. As de cem escrevem suas memórias em 32 capítulos. E todas comemoraremos nossa aniversário assim: para sempre 32.”





Fala a verdade; depois desse texto maravilhoso você ficou ou não mais feliz por ter 32 anos?! Se envelhecer é inevitável então que seja “para sempre 32”!!!!!



Mariana.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

FRASE DA SEMANA


"As aparências enganam. Os homens também."

(Autor desconhecido)


Jacqueline

quarta-feira, 13 de julho de 2011

UTILIDADE PÚBLICA




Querido amigo, este post é seu! Para você, ser potencialmente confuso e desorientado, que não entende o que sua namorada, filha, irmã e amiga estão tentando dizer.



Leia com atenção, imprima e cole em algum lugar visível!





Entendendo as Mulheres...

Sim
Tradução: Não.

Não
Tradução: Sim.

Não sei
Tradução: sim

Talvez
Tradução: Não.

Sinto muito
Tradução: Vai ser como eu quero.

Nós queremos
Tradução: EU quero.

Faça como quiser
Tradução: Você vai pagar muito caro por isso.

Precisamos conversar
Tradução: Quero me queixar de você.

Vá em frente
Tradução: Não quero que você vá.

Não estou chateada
Tradução: Lógico que eu estou chateada.

Seja romântico, apague as luzes
Tradução: Estou me sentindo gorda.

Esta cozinha é meio desajeitada
Tradução: Quero uma casa nova.

Quanto que você me ama?
Tradução: Eu fiz algo de que você não vai gostar de saber.

Estarei pronta em um minuto
Tradução: Tire os sapatos, escolha um canal de TV e relaxe.

Estou gorda?
Tradução: Diga que eu estou bonita

Você precisa aprender a se comunicar
Tradução: Concorde sempre comigo.

Não estou gritando!
Tradução: Estou berrando!





Jacqueline

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Cine Mulherzinha - Meia-Noite em Paris.



Não é bem um cine mulherzinha mais vale muito o ingresso. Escrito e dirigido Woody Allen, o filme conta a história de um escritor e roteirista insatisfeito de Hollywood Gil (Owen Wilson) que visita Paris com a noiva Inez (Rachel McAdams) e sua futura sogra e sogro. Gil na verdade é um apaixonado pela Cidade Luz principalmente no que ela representou durante os anos 20.

A história fica interessante quando os sinos da cidade badalam indicando meia-noite e um misterioso carro antigo (que eu como mulher não faço a menor ideia de qual é a marca, só sei que é bonito) que o carrega para a Paris dos anos 20. Chegando lá encontra várias personalidades que viveram nessa época na cidade, tais como; os escritores F. Scott Fitzgerald e Ernest Hemingway, o músico Cole Porter, os pintores Pablo Picasso e Salvador Dali e o cineasta Luis Buñuel.

Vale citar que o ator que faz o escritor Ernest Hemingway é um show a parte, pesquisando na internet, descobri que é interpretado por Corey Stoll, esse sim o verdadeiro colírio do filme, já que, vamos combinar, Owen Wilson não é verdadeiramente um galã. Sobre Owen Wilson, apesar de estar muito bem no filme me irrita um pouco a mania que eu acho que Woody Allen tem de colocar todos os seus protagonistas masculinos como meio gagos, já repararam nisso?! Mas nada que possa comprometer o excelente filme.

O filme se desenrola mostrando as belas imagens de Paris, os primeiros minutos são maravilhosos, várias cenas da cidade aparecem como num cartão postal já mostrando para o espectador a atmosfera da história.

Não vou ser estraga prazeres e contar o final do filme. Mas a moral da história é super interessante, principalmente para os que estudam o passado como os historiadores, temos a tendência a valorizar o tempo que passou, essa nostalgia transforma o passado em algo que, por não voltar mais, passa a ser super valorizado. Quem nunca escutou a expressão; “aqueles é que eram os bons tempos que não voltam mais” ou “essa juventude é alienada, a outra era muito mais contestadora”. No caso do filme, essa nostalgia funciona para o protagonista como um escapismo da realidade que Gil estava vivendo. O que me leva a refletir o quanto acabamos fazendo isso na vida. O quanto ficamos agarrados a um passado idealizado e esquecemos que temos um presente e um futuro pela frente.

Essa questão me fez lembrar um samba do genial Wilson Batista chamado “Meu Mundo é Hoje”, separei uma parte da letra para as leitoras e leitores:

“Meu mundo é hoje não existe amanhã pra mim
Eu sou assim, assim morrerei um dia.
Não levarei arrependimentos nem o peso da hipocrisia.”

Mas não dá para sair do cinema sem aquela sensação; se eu pudesse pegar uma carruagem ou um carro para voltar ao passado para qual período eu voltaria? Eu, particularmente, concordo com a personagem Adriana vivida pela atriz Marion Cotillard que desejava retornar à Paris da Belle Époque. Realmente deve ser incrível conhecer a Paris nesse período. Imagine, ir ao Moulin Rouge observar Toulouse-Lautrec pintar as suas prostitutas. Conhecer Van Gogh, Gauguin, Monet, Degas e outros impressionistas?! Olha eu fazendo a nostalgia do passado também...

Caros leitores e leitoras se vocês pudessem pegar um caro ou uma carruagem para voltar no tempo, para qual passado retornariam?

O "colírio" do filme, o ator Corey Stoll. Um espetáculo!!!



Mariana Alinhar ao centro

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Cuidado com os ratos em frente à Notre-Dame!!!


Quando eu tinha 20 anos realizei um grande sonho na vida; conheci Paris. Minha relação com a cidade é um pouco inexplicável, já muito pequena enquanto os meus primos e irmãos sonhavam em conhecer a Disney eu desenhava nos meus cadernos a Torre Eiffel, sempre fui fascinada pela França.


Eis que, finalmente, eu estava lá sentada em frente à Notre-Dame, olhando os turistas tirarem a mesmas fotos em volta do marco zero de Paris, tentando acreditar que realmente estava naquele local. A cidade era um sonho e Notre-Dame, mesmo em obras, era emocionante e contemplativa. Foi essa a sensação que eu tive, de contemplação, fiquei alguns minutos sentada observando a catedral nos mínimos detalhes, tentando gravar na minha memória aquele momento único e quem sabe encontrar o Corcunda de Notre-Dame pendurado em alguma gárgula procurando a sua Esmeralda. Sentada num banco apoiada na grade de um pequeno jardim, senti uma movimentação estranha no mato e logo depois nas minhas costas, embora estivesse protegida por um pesado casaco percebi, para meu espanto, que se tratava de um terrível, nojento e asqueroso rato!!! Ainda espantada levantei num pulo e como se o rato ainda estivesse passeando pelas minhas costas dei berros e pulos, tirando o casaco. Naquele momento, quanto recobrei a consciência, desejei que ninguém estivesse na rua para presenciar aquela cena trágica, mas não, infelizmente, a Île de la Cité (onde foi fundada cidade de Paris) estava lotada!!! Já era tarde, protagonizei um mico internacional!!!


Bom, porque contei essa longa história, ou seria uma pseudo-fábula? Mesmo num lugar lindo, em frente a uma das catedrais mais maravilhosas do mundo, o feio, o nojento pode vir à tona. Mesmo na cidade mais romântica onde tudo parece perfeito e possível de acontecer um rato pode aparecer.


Moral da história; meninas, quem nunca encontrou um rato por trás de um belo jardim? Tudo parecia perfeito, o cenário, o namorado “ficante”, “peguete” ou “passante”, se não fosse por um detalhe; na verdade era o famoso lobo em pele de cordeiro. Em situações como essas chegam a duas soluções. Ou você encara a realidade e dá um passa fora no ratinho ou então, ciente de quem ele realmente é, entra na ilusão, finge que ele é realmente um príncipe, aproveita e na primeira oportunidade, pé na bunda!!!


Mas fica aí o alerta!! Meninas, cuidado com os ratos escondidos em frente à beleza da Notre-Dame. E ratos que eu digo não são aqueles simpáticos sapinhos que em alguns momentos são até mais interessantes que os príncipes. Ratos que eu digo são aqueles canalhas mesmo, são os que fingem não serem comprometidos, os que possuem interesses escusos (estão atrás de seu dinheiro, fama, inteligência, posição social explorando a sua boa vontade), os que forçam o sexo, os que te traem, abusam da sua confiança... sim, esses caras que dão até nojo de pensar.


Cuidado porque eles se aproveitam da sua distração com a beleza da Notre-Dame para subir nas suas costas e dá um bote!!! Solução; mesmo correndo o risco de pagar um mico internacional, grite, pule e arrume um jeito de tirar o mais rápido possível esse bicho asqueroso de perto de você!

Mariana


Hoje eu liguei a TV aleatoriamente e estava passando o filme "10 Coisas que eu Odeio em Você" - praticamente um clássico teen da minha adolescência. O filme nem é tããão bom assim, mas uma cena em particular é o sonho... ai ai... o personagem principal, vivido pelo Reath Ledger, parou o treino da escola e cantou "Cant take my eyes of you" para a protagonista.


Duas razões para esta cena fazer suspirar:


1. O Reath Ledger estava um gato;


2. Que garota não gostaria de ver um cara lindo desse pagando o maior amor na frente de todo mundo?


Podem suspirar também meninas, eu permito...



video


Jacqueline

PÊNIS MUSICAL


Como? É isso mesmo! Pênis musical!

Calma! Não é uma mutação. Você não corre o risco de estar quase lá e o pinto do cara começar a tocar... o pênis musical é uma regalia somente de um pequeno inseto aquático que mede apenas 2 milímetros e é conhecido por usar seu pênis como instrumento musical para atrair as fêmeas. A potência do "canto" chega a até 99,2 decibéis, equivalente ao som de uma orquestra assistida na primeira fileira.


Se bem que eu acho que algumas meninas gostariam da idéia de uma musiquinha... Vide o brinquedinho que estão vendendo por aí...


É, pois é...


(Ficou curiosa sobre o bichinho aquático? Então acesse: http://br.noticias.yahoo.com/cientistas-comprovam-inseto-2-mm-%C3%A9-animal-ruidoso-124005740.html)




Jacqueline