sábado, 9 de junho de 2012

 Navegando pela internet, vi uma postagem interessante sobre alguns recordes sexuais. Algumas coisas são muito bizarras, mas vale a leitura.

 

A maior oferta por sexo
Um homem anônimo ofereceu US$ 3,8 milhões para ter a chance de ser a primeira pessoa a transar com Natalie Dylan. A garota rejeitou a proposta.

Parceiros sexuais
Durante a Eroticon 2004, Lisa Sparxxx, uma  atriz pornô norte-americana, transou com 919 homens em um único dia.

O maior pênis do mundo
Jonah Falcon é considerado o homem mais bem dotado já documentado. Seu pênis mede 34 centímetros.

Técnica sexual mais perigosa

Pode parecer incrível, mas uma das técnicas sexuais mais arriscadas é soprar com vigor dentro da vagina da parceira. Acidental ou intencionalmente, esta ação pode ser letal. A morte ocorre por embolia pulmonar  (obstrução de uma artéria), e ela acontece de forma repentina em torno de 30 minutos a partir dos primeiros sintomas. Portanto, muito cuidado!

 A maior orgia
Conquistado recentemente pelo Japão, a maior orgia já registrada envolveu 250 casais, que mantiveram relações de forma extremamente ordenada num grande salão fechado. Se alguém pôde ouvir a situação de longe, deve ter pensado que alí estava acontecendo um massacre.

A ejaculação mais longa

O jato de sêmen de Horst Schultz alcançou 6 m de distância. Ele também bateu o recorde de altura (3,65 m) e velocidade (68,2 km/h).

Sessão de masturbação mais demorada
Um homem chamado Masanobu Sato participou do evento World Masturbate-a-thon 2009 (literalmente “Maratona Mundial de Masturbação 2009”), realizada pelo Centro de Sexo & Cultura de São Francisco, nos EUA, e bateu o recorde de tempo no ato: foram 9 horas e 58 minutos.

O orgasmo mais longo
Um estudo realizado pela Masters and Johnson em 1966 registrou uma mulher que teve um orgasmo de 43 segundos de duração e 25 contrações sucessivas.

A maior quantidade de sêmen engolido
Michelle Monaham teve 966 ml de sêmen extraído de seu estômago em Los Angeles, em julho de 1991.

A vagina mais forte do mundo
A russa Tatiata Kozhevnikova, 42, bateu o recorde ao levantar 14 kg com a vagina.

Maior número de orgasmos
Há 22 anos, os médicos William Hartman e Marilyn Fithian, do Centro de Estudos Matrimoniais e Sexuais, em Long Beach, Califórnia, vêm registrando recordes de resposta orgásmica em laboratório. Até hoje, a quantidade máxima de orgasmos já contabilizados em uma hora foi de uma mulher: 134. Já o recorde dos homens foi de humildes 16.

A maior corrente Daisy
Também chamada de spintriae, a Corrente Daisy é uma fila de pessoas ligadas por união sexual entre genitálias e orifícios. Nojento? Pois não era o que pensava o grande imperador romano Tibério (14-37 a.d),  fã dessa prática. Frequentemente ele aplicava o “conceito” em suas orgias públicas. Estima-se que o número de participantes destes eventos chegavam a 30 ou mais.


Jacqueline

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Como transformar um “fora” em criatividade.


Conte-me a verdade. Atire a primeira pedra quem nunca teve sequer o ímpeto de se vingar de um relacionamento rompido por um ex?! As formas podem ser inúmeras, existem as vinganças diretas, obsessivas, dessas do tipo Atração Fatal. Outras são mais light, acreditam que a felicidade da “preterida” é a melhor resposta, mesmo que seja tudo mentira, só post falsos no facebook. No entanto, existem pessoas que conseguem transformar a dor deste momento em algo criativo e bem mais produtivo.

  Este é o caso da artista plástica francesa Sophie Calle. A sua história é bem familiar para boa parte das mulheres. Após um namoro com o escritor Grégoire Bouillier, Sophie descobre que o seu “príncipe encantado” era na verdade um galinha tendo um relacionamento “compartilhado” (eufemismo moderno para justificar a infidelidade, “não, querida, eu não estava lhe traindo, estava compartilhando o meu amor..”) com ela e mais três mulheres. Não aceitando ter seu amor “compartilhado” com mais ninguém, a artista decidiu dar um ultimato; ou ele terminava com as outras ou fim. Não conseguindo dividir o seu coração, o escritor resolveu terminar o relacionamento por email. No corpo de seu texto refinado, mas cheio de clichês, Grégoire utiliza o bom e velho subtexto, “você é boa demais para mim”, ao final a famigerada e tosta frase “cuide de você”.

  Sophie seguiu o conselho do agora ex-amante a risca, resolveu cuidar dela mesma, transformando a sua dor em arte. Enviou a carta de término para 107 mulheres de diferentes idades e profissões, cada uma delas deveria dar a sua interpretação profissional a respeito do texto. Assim, por exemplo, uma advogada faz as suas observações em cima do Código Penal francês descobrindo várias “infrações” no rompimento, uma adolescente resume o dito cujo com uma frase simples e direta “ele se acha...”, uma bacharela em Literatura Francesa faz uma análise textual. Estas interpretações são seguidas pelas mais variadas visões, tais como; compositora, consultora de etiqueta, contadora, criminologista, delegada, diplomata, escritora (a observação, na minha opinião, mais interessante e próxima da minha, tem um pouco de vitimização nesta história), especialista da ONU em direitos da mulher, estudante, filóloga, filósofa, headhunter, historiadora, jogadora de xadrez (interessantíssimo), jornalista, juíza, latinista, sua própria mãe, oficial da inteligência francesa, poeta, professora, psiquiatra, revisora, romancista, roteirista, sexóloga, tradutora e até uma vidente. Juntas essas 107 mulheres e interpretações foram reunidas por Sophie numa exposição com o inspirado título “Prenez Soin de Vous" (“Cuide de Você”), criada em 2008. É interessante perceber como podem existir diferentes pontos de vista em cima de uma simples carta de rompimento tanto que umas até defendem o escritor.

Se a vingança é legítima ou não é uma questão de ponto de vista. Sophie Calle expôs uma obra aberta onde cada um pode fazer a sua interpretação da carta. O fato que a partir da exposição é possível pensar em várias questões; como é possível transformar a dor em arte, a percepção de diferentes pontos de vista, a ideia de arte interativa, em que medida uma mulher preterida pode se vitimizar, ou até mesmo pensar na fronteira entre público e privado (será que ela não se expôs demais, junto com a sua instalação?!). Enfim, o tema é polêmico e controverso, mas não deixa de ser interessante e criativo. Acho que a partir de agora se você está pensando em terminar um relacionamento vai pensar duas vezes antes de enviar uma carta “pé na bunda”. Cuidado!! Ela pode virar uma exposição!!!

                                                       Mariana (tentando cuidar de mim).



Para interpretar mais:

  Quem quiser ter uma íntegra da exposição, vale a pena conferir o catálogo com as diferentes interpretações no site:
 

O vídeo da exposição também é lindíssimo:

http://www.youtube.com/watch?v=ZbNzIL6J9po

Uma reportagem sobre a exposição quando ela esteve no Brasil:

domingo, 29 de abril de 2012

Homens Preferem Mulheres que Usam Vermelho 

 

Pois é meninas, alguns estudiosos com muita coisa para fazer, realizaram recentemente uma pesquisa e descobriram que os homens preferem as mulheres vestidas de vermelho. 

Os participantes do estudo analisaram por 30 segundos uma imagem de uma mulher  com camisetas de cores diferentes - vermelha, azul, verde e branca.  A que mais agradou a maioria foi a vermelha. A razão? Os gajos acreditam que uma mulher de vermelho está mais disponível sexualmente do que as outras. Ai, ai, essas mensagens subliminares... Se interessou por esse estudo? Clique AQUI!

O fato é: Está querendo seduzir o gato naquele primeiro encontro? Então se joga no vermelho! 

Só tome cuidado, pois usar vermelho exige personalidade! Se não conseguir encarar um vestido logo de cara, vai com uma blusinha, um colete ou mesmo um acessório. Ou então, quebre o vermelho total com outra cor; as combinações que eu julgo mais sofisticadas são as de vermelho com tons neutros ou com azul marinho. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E já que o assunto é a atração que o vermelho exerce, vale dizer que um batom vermelho também tem o seu poder! 

Algumas opções bem famosas são os batons Ruby woo e o Russian Red, da MAC. Mas... se você, como eu, não tem ou não pode/ quer dar 70 pratas num batom, procure o 330 da linha intense, da Boticário - É o primo pobre do Ruby woo - digno, muito digno e pela módica quantia de R$ 13,90.

Espero que tenham gostado do nosso post in red

Jacqueline

 




 

quinta-feira, 26 de abril de 2012

NAMORO ENGORDA!


Namorar é bacana, disso quase ninguém duvida.  Poderia citar uma série de prazeres da vida a dois: 

1. Ter alguém para ir ao cinema no fim de semana; 
2. Ter alguém para ligar nos momentos de tédio; 
3. Receber um cafunézinho; 
4. Sentir-se amada (o) e desejada (a).

E vários outros...

Mas como nem tudo são flores... uma das coisas mais nocivas dos relacionamentos são as calorias que ele nos faz armazenar. Todo mundo sabe e já faz parte do senso comum: a vida a dois engorda! 
  
Acredito que há duas causas possíveis para isso. A primeira é que o relacionamento costuma aumentar as saídas para comer, pois os casais costumam rumar para programas mais tranquilos, que costumam envolver comida - as vezes como meio, as vezes como fim. A outra causa pode estar relacionada ao fato de que os comprometidos já julgam a caça feita e presa, logo, acabam tendo menos motivação para manter o peso saudável. 

Eu sou culpada pelo 'crime' de engordar em namoros e, posso dizer com propriedade: não vale a pena! O prejuízo psicológico e no guarda - roupas é muito grande. Estou correndo atrás do prejuízo, mas teria sido tão mais fácil se eu não tivesse engordado...

Simbora, casais! Vamos deixar a preguiça a dois de lado e perder uns quilinhos! Uma vida mais saudável nos espera...

Jacqueline  
 

domingo, 22 de abril de 2012

Utilidade Pública para as Alérgicas


Eu AMO pintar as unhas. Não faço questão de ir na manicure e, por questões de tempo e dinheiro, raramente vou, então, cutilo e pinto minhas unhas nas horas vagas e acho terapêutico. 

Tudo sempre correu bem, até que meu pescoço começou a ficar com uns empolados bizarros. Fui ao médico e ele me disse que eu estava com alergia de contato a esmalte. Meu mundo caiu! 

Descobri alguns esmaltes anti alérgicos, mas a fixação da maioria é bem ruim. As vezes eu pintava a unha de manhã e de tarde, ela descascava. Sem contar que as opções de cores não eram das melhores. 

Mas tudo mudou quando eu vi que a Colorama mudou a fórmula dos esmaltes e atualmente é toxi free. PERFEITO! Os esmaltes da Colorama não tem mais formaldeído e tolueno - que são os principais causadores de alergia.  As opções de cor são 'vastérrimas' e a fixação é digna. 




Ah, sem contar o preço super camarada!

Alérgicas, se joguem na Colorama! 

Jacqueline

domingo, 8 de abril de 2012


DANÇA DE SALÃO

 


Eu comecei a fazer dança de salão recentemente e me apaixonei! Aqueles minutinhos em que estou ali fazem com que eu me desligue do resto do mundo e pense só nos passos que eu tenho que dar ou na música que está tocando. É uma excelente terapia contra o estresse!


Pode soar meio demodé o que eu vou escrever, mas que realmente me encantou foi o clima, tão incomum (e até antiquado) em que homens e mulheres se complementam como parceiros num mesmo objetivo: dançar. O homem é o cavalheiro, enquanto a mulher é a dama - nem cachorra, nem piriguete - dama! Os toques são sutis e envolvem mãos dadas e troca de olhares.  O homem conduz e uma condução eficiente envolve delicadeza, pois a mulher não pode ser jogada de qualquer forma nos movimentos, mas sinalizada sobre o próximo passo.



Acredito no feminismo e em suas conquistas, no entanto, muitas mulheres ficaram, ao longo dos anos, tão preocupadas em provar que eram iguais aos homens, que esqueceram a importância da diferença. Não existe demérito em gerar um filho ou em ter outros hormônios além da testosterona. A dança me lembrou isso. O homem conduz, mas sem a mulher, não existe dança. Ambos precisam estar em harmonia e cientes de seus papéis e somente assim, o salão se ilumina com o brilho do casal.

Além de tudo, a dança de salão pode ser muito sexy e envolvente, quando há química entre o casal. Sem desmerecer quem vai até o chão nos bailes funks, mas não sabem o poder de uma troca de olhares bem dada!  Fiquem com um exemplo:

Filme "Vem dançar"


Jacqueline (futura dançarina)

domingo, 11 de março de 2012

Humor feminino. Liberte essa palhaça que existe dentro de você!!!

                                               O Grupo de palhaças "As Marias da Graça"

Mulher sabe fazer humor? Quantas vezes conseguimos ter o desprendimento para rirmos de nós mesmos?

Já faz o tempo que o humor era um terreno masculino. Antes, quando algumas mulheres se arriscavam por essa empreitada tinham duas características; ou eram gordas ou mais feias, quem não se lembra da famosa Dona Bela, interpretada pela excelente atriz Zezé Macedo. A novidade do momento é a presença cada de mais constante de atrizes e roteiristas bonitas, magras e não menos engraçadas e divertidas, fugindo do estereótipo de que para fazer humor é preciso ser feia.

Sejam também muito bem vindas as novas comédias femininas onde essas novas mulheres (independentes e com os mesmos desejos que os homens) são representadas. Nesses filmes, diferentemente das comédias românticas, as mocinhas não são tão bobinhas e submissas; são malucas, desorientas, fazem uma besteira atrás da outra e, para completar, suas vidas não são perfeitas e nem sempre o final feliz espera no beijo do príncipe encantado. Nesse gênero, destaco o filme “Missão: Madrinha de Casamento”. Com personagens engraçadíssimas, a protagonista Annie (Kristen Wiig) tem 30 anos, sem relacionamentos estáveis e sem a menor vocação para a “vida mulherzinha” se vê tendo que ser madrinha do casamento de sua melhor amiga. É uma comédia excelente, sobretudo por seu maravilhoso elenco, o grupo formado pelas desastradas madrinhas é hilário! É interessante ver mulheres em situações cômicas tipicamente masculinas. Vale resaltar que a roteirista do filme é a própria Kristen Wiig que iniciou sua carreira no programa de humor Saturday Night Live. Mas quem rouba a cena mesmo é a atriz Melissa McCarthy, interpretando a masculinizada personagem Megan. Ela dá um show no papel tanto que foi indicada como coadjuvante (coisa rara, já que o Oscar não costuma privilegiar atores e atrizes que fazem excelentes personagens de humor).


Já no Brasil a popularização dos Stand Up trouxe textos femininos inteligentes sobre as agruras e decepções com os homens, mas sempre de forma muito bem humorada. Gosto muito da atriz Agnes Zuliani, seus textos abusam do humor inteligente e até, porque não, históricos e políticos. Outros grupos também se destacam como o Humor de Salto Alto (com as humoristas Micheli Machado, Wanessa Morgado, Andrea Barretto Carol Zoccoli e Mhel Marrer) e As Olívias.

E nós pobres mortais, anônimas que não somos atrizes, podemos fazer humor no nosso cotidiano? Acredito que sim. Pense na figura do bom e velho palhaço. A filosófica do palhaço é incrível, essa personagem faz piada da própria desgraça, assim, as coisas tem que dar errado para ele fazer graça. Ou seja, o palhaço consegue rir de si mesmo e com isso as dores ficam um pouco menores. O humor é a melhor forma de curar nossas feridas, sei que estou curada de uma dor do passado quando volto ao tempo e as minhas lembranças que antes eram tão doloridas passam a ser hoje engraçadas e até ridículas. Quando olho para trás e consigo rir disso, digo para mim mesma “oba! Estou curada disso! Quem venham outras dores, decepções e aprendizados!” O palhaço é tão fascinante para nós porque através do lúdico e até poético não tem medo de ser ridículo e transformar a tristeza, as dores e os erros em comédia e acertos. Mostram para nós que a vida não deve ser levada tão a sério. E as mulheres já também são palhaças delicadas, mais sensíveis talvez, mas não menos engraçadas e divertidas.

Que nós, homens e mulheres, consigamos fazer humor no nosso dia a dia. Que possamos parar um minuto em nossas vidas cada vez mais corrida e atribulada para simplesmente rir, mas rir bastante. Dessas risadas gostosas que dávamos quando criança aonde chegávamos a fazer perder a respiração e doer a barriga. Eu, particularmente, acho que ter senso de humor é fundamental para a nossa sobrevivência.

Para rir mais com a comicidade feminina:

http://www.mhel.com.br/
http://www.carolzoccoli.com.br/
http://www.asolivias.com.br/
http://www.asmariasdagraca.com.br/

                                                Mariana (nas horas vagas a palhaça Maria Antonieta).

quinta-feira, 8 de março de 2012




FELIZ DIA INTERNACIONAL DA MULHER

No dia internacional das mulheres, parabéns as mulheres reais, com suas celulites, gordurinhas aqui e ali, as guerreiras que lutam, trabalham, se cuidam e vivem brigando com a balança...!


No dia internacional da mulher divulgaram fotos da Jenifer Lopez sem photoshop, com suas imperfeições, uma mulher linda, com celulites e pneuzinhos... como todos nós!!!



Isabele


terça-feira, 6 de março de 2012



CINE MULHERZINHA


O Cine Mulherzinha dessa semana trás a indicação do filme 'Qual o seu número?'




O Filme é bem bobinho e gira ao redor de um enredo igualmente bobo. 

A personagem Ally (Anna Faris), lê um artigo numa revista, que afirma que mulheres que já tiveram 20 ou mais parceiros na sua vida possivelmente não vão mais casar.
Após contar todos os seus parceiros - 20 - Ally começa a perder as esperanças de um casório. Prometendo a si mesma não ultrapassar a contagem atual, ela pede ajuda a seu vizinho ultra bonitão (Chris Evans) e passa a buscar seus ex-namorados para não chegar aos 21 parceiros e correr e risco de ficar solteirona.


Acho que nem preciso o manter o mistério sobre o fato de que Ally e o vizinho se envolvem, né?

Interessante ao ver o filme, são os questionamentos que ele gera: Qual o número ideal de parceiros para uma mulher? Esse número existe? Se existe, quem convencionou? 

O vizinho bonitão, parceiro de Ally na busca pelos seus ex-namorados, dorme toda noite com uma mulher diferente, deixa escapar que sua contagem está lá pelos trezentos e cacetada, mas isso o incomoda? Nem um pouco! Mas os 20 caras de Ally a deixam surtada. 

Em nenhum momento, a personagem ponderou que a solução de sua felicidade poderia não estar no casamento. Soa comum esse tipo de coisa na nossa sociedade ainda machista. Eu diria que esse filme exemplifica o nosso falso moralismo de rotular de pi***** toda mulher que não segue o padrão tradicional de casamento, filhos e família. 

É um filme morno e bobo, como toda comédia romântica deve ser, mas vale a pena. Derrete seu cérebro, mas não muito. 


Jacqueline

quinta-feira, 1 de março de 2012

Fim de Carnaval e outras vergonhas alheias.


Acho que todos os ínfimos, porém assíduos e fieis leitores e leitoras deste blog já sabem que sou uma entusiasta do Carnaval. O clima na cidade fica diferente, as pessoas mais receptivas, fora alguns fantasia divertidas e criativas. Mas, entretanto, porém, todavia... algumas pessoas exageram um pouco demais na personagem.

Você já passou pela sensação de sentir vergonha alheia de alguma pessoa ou situação?! Para quem não sabe vou explicar; você encontra uma pessoa numa situação muito ridícula, ela, na maioria das vezes, não tem vergonha alguma, mas você sente por ela. Eu, particularmente, fico rindo muito, mas é um riso sem graça, sinto-me até solidária com o (a) pobre coitado (a), minha vontade é de puxar ele (a) de lá e dizer; “alô, não percebeu que você está ridículo (a) nessa situação?! Vamos sair daqui!!”

Isso aconteceu comigo, inúmeras vezes nesse Carnaval. Entendo, juro que entendo que as pessoas nessa época do ano queiram aloprar um pouquinho, se divertir, fazer coisas que em outras épocas do ano seria impossível. Compreendo a sensação de catarse que envolve essa festa popular. Também gosto de aloprar um pouco, mas dentro de certos limites. Beber, brincar, zoar são coisas verdadeiramente permitidas no Carnaval, mas com responsabilidade. Até porque não faça nada que você vai se arrepender não de forma temporária, mas de forma permanente. Durante o Carnaval é conveniente não fazer mais besteira além de uma boa resseca na quarta feira de cinzas. Ou seja, não faça nenhuma besteira que venha lhe acompanhar além da quarta feira de cinzas. Beber e dirigir, transar sem camisinha, beber demais ocupando as emergências dos já deficientes hospitais públicos com um paciente em porre, se pendurar em postes altos, mijar na rua ou agarrar pessoas que dizem não para as suas investidas bobas não é bagunça de carnaval, é falta de noção e respeito. Ah, e mais uma coisa muito importante; junte-se com quem quer aloprar como você, respeite os demais, “chatos e velhos” que desejam somente curtir os blocos sem a preocupação de ficar contando quantos “pegou” num só dia. Certa vez uma pessoa disse que o Carnaval era um período especial, que era o momento de fazer loucuras. Ok, concordo, mas porque então as pessoas não fazem loucuras queimando o seu dinheiro?! Isso ninguém faz, por mais bêbado ou “trêbado” que estejam. Várias besteiras são compartilhadas no facebook, mas uma delas me chamou a atenção, desculpe a ausência de concordância, mas dizia assim “no carnaval as minas pira, em novembro as mina pari!!” De um jeito popular, essa frase é perfeita para entender a respeito de responsabilidades carnavalescas.


                                                                              Mariana

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Fundamental é mesmo amor... é impossível ser feliz sozinha?

Recentemente li uma reportagem que comentava sobre a solidão das pessoas. Segundo pesquisas recentes estamos cada vez mais sozinhos. Após ler a postagem da minha amiga blogueira Jacque, parei pra pensar: será que as mulheres estão cada vez mais sozinhas? Falta homem no mercado? Não sei, mas pensei essa questão por um outro lado... Sim, acho que as mulheres estão cada vez mais sozinhas. Acredito no entanto que isso tem relação direta com os benditos contos de fadas. É... crescemos ouvindo histórias de princesas e príncipes, bailes, sapatinhos de cristal, etc. E percebo que muitas acabam levando isso para suas vidas. O avanço profissional e acadêmico também contribui. As mulheres evoluiram muito é verdade, ma também estão cada vez mais exigentes. Muitas estão a espera do homem perfeito.

Se você perguntar há algumas mulheres o que elas procuram num homem prepare-se para ouvir uma extensa lista que com certeza terá alguns desses itens: bonito, simpático, inteligente, romântico (sem ser meloso...), que goste de sair, que goste de viajar, bem humorado, que trabalhe, seja independente, bom nível intelectual, bom de cama, que beije bem, que não seja mulherengo, educado, etc... Bem, para a maioria das mulheres algumas dessas características são itens básicos, mas meninas, precisamos ir com calma, será que as mulheres não estão exigentes de mais? Tirando o príncipe Eric (da história da pequena sereia...) é difícil encontrar um homem que seja romântico e bem humorado o tempo todo,  que consiga uir todas essas qualidades. Talvez uma saída seja priorizar... o que fato é importante pra você, sem esteriótipos e clichês de príncipe encantado.

Eu as vezes vejo algumas mulheres descrevendo que esperam um ser quase perfeito e ora nós não somos perfeitas, pq os homens seriam? Algumas exigências femininas confesso são exageradas. Sinto que algumas mulheres se pararem pra pensar irão perceber que o "ser" que elas esperam não existe (a menos que ela namore com a melhor amiga, que pode ser a pessoa com quem possui muitas afinidades - sem problemas pra quem fizer ok - mas para as que não seguem essa escolha, que isso sirva de reflexão...). A pessoa que vai adorar fazer compras no shopping com você, não será seu namorado, mas com certeza sua amiga! 

E por lado também precisamos aprender a viver só, melhor dizendo nutrir amor de outras formas. Ficar esperando que apareça um cara para aí começar a ser feliz não dá. A chance de esse "cara legal - mas imperfeito" aparecer e você nem notar é grande, pois você estará lá - de péssimo humor - esperando o dito cujo "perfeito", mas que contradição não é? A "mulher imperfeita" esperando o "homem perfeito". Acho que o amor é fundamental sim, mas não tenho certeza quanto a ser feliz sozinha. Acredito que a felicidade é estar com o coração preenchido, mas nossa felicidade não pode ser atrelada a outra pessoa. O coração pode ser preenchido com "outros amores". Amor pelo que você faz. Amor pela sua profissão. Amor pela família. Amor pelos amigos. Amor pelo bichinho de estimação. Amor pelo próximo. E o mais importante de todos: o amor próprio. Devemos ter cuidado com aquela frase clichê: "Não corra atrás das borboletas. Cuide do seu jardim e elas virão até você!”. Isso também pode não ocorrer. Eu prefiro assim: "Não corra atrás das borboletas. Cuide do seu jardim e se as borboletas virem até você ótimo, mas se não vire tudo bem, você terá um belo jardim!”.




Isabele 

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Faltando Homem no Mercado? Não é bem assim...





É comum em qualquer roda de conversa feminina, sair a seguinte frase: "está faltando homem no mercado!". E, em geral, todas as presentes concordam.

Esses dias, cá com meus botões, parei para me questionar sobre isso. Será que está mesmo faltando homem no mercado? A desproporção entre homens e mulheres é tão grande assim ao ponto de mulheres que não se conhecem reclamarem da mesma coisa?

Para resolver esse mistério, resolvi apelar para a estatística.

Em agosto de 2010, havia 97.348.809 mulheres e 93.406.990 homens, o que significa uma relação de 96 homens para cada 100 mulheres (dados do censo). Isso significa que a proporção de mulheres é realmente maior que a de homens, no entanto, não é algo assustador que justifique a reclamação feminina.

O Brasil não se envolveu em nenhuma guerra - não mandamos nossos homens para nenhum front, então, não falta homem no mercado. As mulheres estão malucas?

Seria mais fácil se a resposta fosse sim, mas não, as mulheres não estão malucas! 

Já que a estatística não explicou, tivemos que procurar uma outra justificativa... Hoje em dia, vivemos um fenômeno conhecido por alguns como 'adolescência tardia'. Chegou-se ao ponto de se afirmar que os 30 são os novos 20, pois as pessoas tendem a demorar mais para se estruturar profissionalmente e ficam na casa dos pais por muito mais tempo do que se ficava algumas décadas atrás.

Tudo seria perfeito, se não fosse por um detalhe: a biologia!

Um homem se quiser ter filhos com 40, 50 ou 60 anos, pode. A mulher chega aos 35, 40 no limite de sua fertilidade, ou seja, a mulher sabe que se quiser estruturar uma família nos moldes tradicionais, tem que fazer enquanto ainda for relativamente jovem. Logo, enquanto a mulher incorporou parcialmente sua adolescência tardia, os homens estão fazendo bastante proveito dela, exitando em assumir relacionamentos sérios e experimentando bastante as opções do "mercado feminino". 

Quando o homem finalmente se sente adulto e maduro para um relacionamento sólido, geralmente acaba     optando por uma mulher de 20 ao invés da mulher de 30, 40... 


Realmente, falta homem no mercado porque sobra adolescente de meia idade! 




Jacqueline

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Relaxe e curta seu momento "baranga"!


As mulheres se cobram demais! Fato! Unhas cutiladas e pintadas, maquiagem feita, pele sem espinha, cabelo sem frizz, dieta daqui, dieta dacolá e por aí vai...

Os homens, por outro lado, não estão nem aí. A barriga cresceu nas férias? Que pena, um dia ela diminui. Ou não. Apareceu uma espinha? É só uma espinha, não é fim do mundo!

Homens e mulheres encaram a vaidade de forma muito diferente. Nos shoppings aos domingos, vemos uma penca de casais de várias idades e é comum observarmos o seguinte padrão: a namorada com salto agulha, saia, blusinha toda cute, maquiagem, cabelo impecável e uma série de acessórios, enquanto o namorado desfila do alto de seu tênis, trajando bermuda e blusa básica - nem aí para "fashionismos".

Dito isso, lanço um apelo sincero para as mulheres: Não se cobrem tanto! Permitam-se ter e curtir momentos de "baranga"!

Não deu para fazer a unha durante a semana? relaxa! A perna tá doendo? Vai de tênis!

Não se trata de uma apologia ao desleixo, mas sim, uma apologia ao conforto e a preguiça, se estes forem te fazer bem. Ninguém disse que somos obrigadas a estar 100% arrumadas e lindas o tempo todo.

E uma dica de quem entende do assunto: não adianta estar bonitinha e achar que seu namorado não vai olhar para outra por causa disso. Ele vai! É uma questão de índole e vontade DELE. Se o cara for safado, minha amiga, não tem manicure e cabelereira que fixem a atenção do gajo só em você.

Jacqueline

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A Síndrome de Mestre dos Magos ou Ilha de Lost.


Acho que todo mundo já viu o desenho a Caverna do Dragão. Na história, um grupo de adolescentes vai brincar numa inocente montanha russa e acabam perdidos num reino imaginário. Vivendo nessa terra estranha, eles só têm como principal pseudo-ajuda um personagem chamado Mestre dos Magos. Perto do Hank, da Diana e Bobby (eita garotinho chato...) o Mestre dos Magos é de longe o personagem que eu mais odeio!! Sempre gostei mais dos anti-heróis como o Eric e o Presto (o meu favorito), a Uni me despertava pena, toda a vez que eu ouvia aquele méeeee cortava o meu coração, dava vontade de chorar.

Mas vamos focar naquela figura baixinha e chata. Quando era criança não tinha essa percepção, mas hoje tenho certeza que o Mestre dos Magos é na verdade um sádico!!! Pensa comigo; ele sabe como sair daquele lugar, então porque fica falando cifrado e some, desaparece, evapora do nada?! Não é à toa que, dizem as más línguas, o Mestre dos Magos e o Vingador são a mesma pessoa. Se não é são tão nocivos quanto. Tenho raiva do Mestre dos Magos, para mim ele não é mestre coisa nenhuma, é só um baixinho chato, careca cabeludo e ruim!!!

Nesse momento a cara leitora (ou leitor, é importante que os homens também leiam este post) deve estar se perguntando; “o que esse desenho tem a ver com a temática deste blog?!”. Então, sem mais delongas, vou explicar. Recentemente descobri uma série ótima chamada Adorável Psicose, nela a personagem principal, Natália, psicótica, tem altos papos com a sua terapeuta (tão maluca quanto ela) sobre relacionamentos homem-mulher e a sua interminável solteirice. Produzida pelo Multishow escrita e estrelada pela atriz e roteirista Natália Klein, a série é excelente para dar boas risadas e, é claro, praticar o meu esporte predileto; rir de si mesmo.

Num dos episódios um médico charlatão cria a expressão Síndrome de Mestre dos Magos. Acho que toda a mulher, ao menos que você seja a Angelina Jolie, já teve contato com essa “anomalia”. Visualiza a cena; você conhece um cara, fica com ele, saem algumas vezes, transam ou não, e, como um passe de mágica, puff... ele morreu?! Não, o dito cujo desaparece, some, evapora, vai para a Ilha de Lost junto com o “mala” do Mestre dos Magos. Fico imaginando o que passa na cabeça desses homens portadores da síndrome, porque somem?! Será que eles pensam que são tão maravilhosos, lindos, perfeitos, interessantes, inteligentes, uh-uh, que nós mulheres vamos nos apaixonar perdidamente por eles e desesperadamente tentar casar?! Não passa pela cabeça dessas criaturas que tal como eles nos só queremos sair algumas outras vezes e não namorar?! Sabe qual é o mal de muitos homens?! É pensar que todas as mulheres querem sempre namorar, casar, ter filhos e uma casa com cerca branca... é o velho e bom machismo persistente.

Caro, coleguinha Mestre dos Magos, se você sofre dessa síndrome saiba que não precisa desaparecer, por mais terrível que seja ouvir a verdade, ela é sempre melhor. Não deixe a gente feliz pensando que vocês sumiram porque morreram. Eu, por exemplo, respeito um cara que liga para uma mulher e explica o porquê ele não quer mais se encontrar com ela. Seja honesto, seja homem!! Ah, e mais um detalhe; nem todas as mulheres saem com um cara só com o objetivo de namorar e etc..., muitas vezes elas só querem sair, curtir, já percebemos que é somente isso que nos esperamos desse tipo de cara. Não somos idiotas que fantasiam e idealizam um romance de cinema com qualquer um. E tenho dito!!!

Mariana (Sim, eu odeio o Mestre dos Magos!!).

Dicas:



Quem quiser assistir aí está o link do episódio de Adorável Psicose em questão, vale à pena ver é super divertido. Espero que eu não tenha o mesmo fim do dono do Megaupload por fazer isso. Gosto especialmente da cena final, quando ela canta uma música para o Cláudio Henrique (o Mestre dos Magos da vez) é de chorar de rir!!!

http://www.youtube.com/watch?v=pxN9wRsFT6k

A autora da série também possui um blog, vale a pena dar uma conferida.

http://www.adoravelpsicose.com.br/





quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Queridos, hoje mais um rapaz deu o ar da graça aqui no blog! Trata-se de um amigo de longa data - o Diego.

Mais uma vez, vamos ter uma opinião masculina por aqui! Espero que gostem!

Jacqueline


Coisas que não se diz sobre 'Atitude
'




Ainda que seja um casal, cada um é responsável por seus problemas, não que não se deva compartilhar, mas resolver por aquela pessoa, isso não é definitivamente o correto a se fazer.

Se a menina ou o menino com quem você namora por acaso levou uma cantada, ou ouviu algo que achou que não era correto a seu respeito, o correto não é, com certeza, que você tenha que se intrometer.


O Correto é que ela ou ele resolvam os problemas por si, e você resolva os seus. E quando estiverem juntos que seja pra aproveitarem um a companhia do outro e não pra despejarem problemas a serem resolvidos, mesmo que seja dessa natureza.


Que ela ou ele nem sequer se ofereçam ou tentem querer resolver qualquer coisa assim...


Primeiro, porque você não deve dar liberdade para esse tipo de atitude, porque você deve ter a atitude, primeiro com a pessoa que fez isso ou aquilo com você e não ficar esperando que tomem uma atitude por você.


Segundo, porque é um papel ridículo pra você e pra seu companheiro(a) esse tipo de coisa, ela não está com você pra resolver seus problemas, como já dissemos anteriormente, não deve ser usado como um instrumento para isso.


Terceiro, porque quando você acha que é um problema que deve ser liquidado, você termina o problema e pronto. Amizades podem ser desfeitas ou coisas similares, mas a atitude tem de ser sua.


Isso com certeza há de valorizar você, ainda mais, em frente à pessoa com quem você está, afinal de contas qual a menina ou menino que não gosta de fato de uma pessoa com atitude ao seu lado?


É excitante, tenha atitude! Nem todo homem gosta de ter uma mulher songamonga do seu lado, e com certeza uma mulher não gosta quando um cara ficava esperando ela ter que ir falar com a menina que anda dando em cima dele que já é hora de parar.

Diego Claudino

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Homem; animal em extinção?!



Confesso que eu sou um pouco viciada em notícias. Certo dia, vendo a Globo News chamou-me a atenção a seguinte manchete; “Na Inglaterra mulheres buscam amigos gays para engravidar.” De acordo com a reportagem, mulheres independentes bem sucedidas e infelizes em buscar um relacionamento sério, resolveram respeitar o seu relógio biológico e ter filhos com seus amigos gays, segundo elas, eles são respeitosos e por conhecerem bem o amigo sabem que dariam bons pais com certeza.

Eu, particularmente, penso que isso é muito estranho, acho porque não sou exatamente aquela típica mulher que sonha em casar e ter filhos. Mas, concordando ou não com a opção de vida dessas inglesas essa não é a questão. O que eu fiquei refletindo era sobre a posição do homem heterossexual na sociedade atual. Com a emancipação feminina, as mulheres com direitos sobre o seu próprio corpo e vida, a pílula anticoncepcional, a conquista definitiva do mercado de trabalho sendo, inclusive, provedoras das famílias, os homens estão ficando sem aquela antiga função.

Então qual seria a função do homem na sociedade atual? Não falo da questão sexual, todo mundo sabe que ainda precisamos dos homens e não das cegonhas para fazer filhos. Mas sabemos também que para até ter prazer sexual nem sempre eles são necessários. Mesmo assim, homem, no sentido literal da palavra, não é só aquele considerado “máquina sexual”.

De uma certa forma entendo um pouco essa postura aloprada que alguns caras têm apresentado atualmente. Eles estão perdidos, as mulheres estão até assumindo o seu papel de conquistador, agora são eles que estão sendo conquistados e não ao contrário, como era no tempo de nossas avós e mães. Talvez essa postura “pegador implacável” seja uma forma inconsciente de nos pedir ajuda, de dizer; “Ei, estamos aqui, vocês ocuparam todos os espaços, mas ainda somos importantes!!!”

Acho que os homens mais bacanas são justamente os que já perceberam que estão em extinção e começaram a assumir esses novos papéis, adaptando-se a essa nova realidade. E quais papéis seriam estes? Não mais o de conquistador, o chefe da relação, o cara que vê a mulher como um mero apêndice. Mas sim aquele homem que percebe o sexo oposto não como tão oposto assim, que quer a mulher como sendo capaz de ser companheira, de andar lado a lado com ele. Acho que esse seria o novo homem. Não o perfeito, o durão, mas o que admite que chora, que tem fraquezas. Os que aceitam numa boa os seus novos papéis; lavam a louça, arrumam a casa, trocam a fralda do bebê, penteiam o cabelo da filha, são carinhosos, o que sabem escutar (fundamental isso não só para os homens, mas para qualquer pessoa) ... tudo isso sem medo de perder a masculinidade. Se nós mulheres podemos acumular funções, porque o homem moderno também não pode?! Pode ser que eu esteja sendo idealista demais, mas alguns homens (poucos infelizmente...) já perceberam isso, portanto são esses que precisamos preservar. Só assim podemos livrar essa tão ameaçada espécie da extinção definitiva.

Mariana (membro da Associação Protetora do Homem Moderno).

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Incentive seu filho a ser bailarino!


Eu acho balé legal! Não sou conhecedora do assunto – não me perguntem nada – eu só acho legal, harmônico... bonito de se ver!

Mas sabem uma coisa que é fantástica no balé: os bailarinos!

O pessoal preconceituoso criou um estereótipo do bailarino ‘bambi’, mas eu discordo profundamente. O cara pega a bailarina no colo, joga, leva ela para cá e para lá, sem que um músculo fraqueje. Muito mais forte do que trezentos mil machões um dia sonharam ser.

E vocês já viram o corpão mega sarado de um bailarino? Aff...

Sempre admirei os bailarinos, mas essa semana, minha admiração chegou no auge. Comprei uma revista e estava lendo uma entrevista com um ator chamado Ryan gosling (Diário de uma Paixão e Namorados para Sempre), que eu adoro, mas nunca soube nada a respeito.

Enfim, a barriga do moço em questão anda fazendo um sucessinho em Hollywood, devido aos seus gominhos definidos e todos no lugar – parece que tem até sites e blogs dedicados ao abdômen de Ryan. É, pois é...

Sabem o exercício do rapaz? Balé!!!

Eu lanço um apelo para futuras mamães: incentivem os seus filhos a fazer balé! O mundo precisa de mais bailarinos!

Por solidariedade feminina, matricule seu guri no balé e deixe as meninas do futuro mais felizes!


Jacqueline

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Ninguém é perfeito de perto!

Já ouviram aquele ditado de que ninguém é normal de perto? Pois é, também ninguém é perfeito de perto.

O site celebritycloseup posta diversas fotos de pessoas públicas bem de pertinho. Dá para a gente ver aqueles defeitinhos que de longe ninguém nota: cravo, espinha, ruga...

Enfim, você se sente mais humano ao ver toda essa humanidade alheia!

Algumas fotos do site:




Jacqueline

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O Outro Lado da História.




Ano Novo, vida nova e também novidades no nosso blog. Agora temos uma nova seção que resolvemos carinhosamente apelidar de “O Outro Lado da História”, nela abrimos espaço para o “sexo que quer parecer forte, mas, na verdade é frágil, afinal não fazem depilação” se manifestar. É isso mesmo, adorável rapaz, esse é o espaço para você escrever a sua opinião sobre o nosso universo. Esteja convidado, somos democráticas (nem tanto) e aceitamos a sua opinião. O primeiro texto é sobre a nossa incrível capacidade de nunca estarmos satisfeitas com nada. Concorda?! Discorda?! Coloque o seu comentário!!!

Por que as mulheres nunca se contentam com nada????

Porcos chauvinistas???? Tá bom.... Depois de uma intensa batalha pelos “direitos iguais” ao longo do século XX, as mulheres mais uma vez se saíram vitoriosas, e apesar disso se mostram insatisfeitas. Lutaram tanto pelos direitos iguais e agora o desprezam. Estou longe de entender o universo feminino. Ninguém entende, apenas atesta. Mas uma coisa é clara: mulé nunca tá satisfeita com nada, e sempre quer o que não tem!!!! O namorado da amiga é sempre melhor, e a vontade de furar o olho da coitada é incontrolável, mas quando conseguem, aí não querem mais...Lutam durante um século por direitos iguais, aí quando conseguem, jogam tudo na conta do homem: é ele quem tem que dirigir o carro, abrir as latas de sardinha, os vidros de azeitona, trocar as lâmpadas queimadas, matar as baratas cascudas, resolver os problemas de condomínio, ... Por que lutaram por independência então???

E sem generalizar, em pleno século XXI, há umas pururucas que não querem nem estudar nem trabalhar, e acham que o homem tem obrigação de pagar as contas delas. Por que lutaram pelos direitos iguais então??? Agora que venceram, façam por merecer. Hoje em dia ainda existe muita mulher que não se valoriza, e depende de esmola e favor de homem pra sobreviver. Se a mulher está desempregada ou inválida, tudo bem, mas se está de bobeira em casa por opção, aí é lamentável!!! A mulher é tão capaz quanto o homem, tão inteligente quanto, e pode sim ser independente e não ficar mendigando esmola nem favores de ninguém. Antigamente se sentiam ofendidas porque não podiam votar, só podiam sair na rua acompanhadas, e eram obrigadas a ficar em casa cuidando dos afazeres domésticos enquanto o marido ia trabalhar fora. A mulher que se escora em homem desse jeito, geralmente é aquela com pouco estudo, burrinha como uma porta, mas com um peitão de silicone, um bundão, e uns retoques a mais na lataria. Mulher boa é mulher com conteúdo, culta, talentosa, inteligente, independente e capaz de se auto-sustentar, sem depender de caridade de homem nenhum.

Essa história de sempre querer o que não tem vale para a auto-imagem também. Se é santinha, quer se passar por vagabunda; e se é vagabunda, quer se passar por santinha. Exemplo mais clássico: a “Sandy Júnior”, que ao invés de valorizar sua imagem de “santinha” (que é sonho de consumo de muitas mulheres), vive tentando reverter a situação, e recentemente chegou a declarar à Revista Playboy que gosta de uma catucada por trás, gosta de dar ré no quibe, rematricular o Pelé...O fato dela gostar não é vulgar, desde que seja assunto dela e do peguete ou namorado dela. Vulgar é explanar isso pra metade da torcida do Flamengo, como ela fez!!!! E quer saber do que mais??? Todo homem esperto sabe que é só inverter tudo: se a mulher se faz de santinha, é por que é piriguete, e se ela se faz de piriguete, é porque é santinha...Isso é fato!!!! Pra mulher, basta não ter pra querer!!!! Vai entender...

André -Mestre em Ciências Etílicas, pela UAARJ (Universidade dos Alcoólatras Anônimos do RJ).